Loading...
AnimeArtigos

Death Billards

Na sequência do Anime Mirai deste ano que falamos no artigo da curta metragem Little Witch Academia (ler artigo) continuamos com mais um filme num registo mais filosófico e contemplativo que saiu inserido no projecto que ajuda os jovens artistas japoneses a fazerem animação no próprio país, sem recorrer a estúdios fora do Japão.

1

Um homem e um senhor velhote vão parar, sabe-se lá como ao Queen Decim, um misterioso bar decorado com umas alforrecas num aquário. É-lhes dito que não podem sair dali até jogarem um jogo de bilhar. E que devem jogar como se tivessem a vida em jogo. E jogam. O anime foca-se sobretudo na visão do jogo do homem mais novo, o que torna o foco um pouco unilateral. Os personagens revisitam o seu passado (e aí percebemos também um pouco sobre o velhote) e o jogo desenvolve-se para além da mesa. Termina com algumas afirmações que, desesperadas, atentam sobre a vida em geral.

Assim, temos um jogo psicológico muito interessante, se bem que foram as cenas de “flashback” que fizeram o filme para mim. Achei que as frases finais foram um pouco forçadas e que a conversa entre os dois empregados de bar quebrou um pouco a força das ideias que este anime tencionava transmitir.

2

É certo que a situação referida (que não posso dizer, para não estragar) é mesmo um mistério, mas foi irritante não saber pelo menos o que disse o velhote.

A animação tem bastante CG, que não fica muito mal por causa da perspectiva em que é apresentado. A luta está bem animada, mas os fundos – bastante complexos, diga-se de passagem – acabaram por ficar com uma tridimensionalidade um pouco desagradável para o meu olho esquerdo (direito tudo bem). Banda sonora é quase nenhuma, apenas efeitos que acrescentam ao visual.

3

Na equipa de produção está Yuzuru Tachikana (que até à data tinha participado em animes como Attack on Titan, Sword Art Online entre outros como storyboarder) e o design de personagens ficou a cargo de Shinichi Kurita (artista já com algum curriculum). Os estúdios que apadrinharam este projecto foi a Madhouse que dispensa qualquer tipo de apresentações para os mais familiarizados com o mundo da animação japonesa.

Em suma, Death Billard é um filme de animação muito interessante e inesperado. 25 minutos de animação que valem a pena.

Escrito por: Carol Louve

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Connect with Facebook

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.