É comum associarmos o estúdio Sunrise ao universo mecha (メカ, meka, abreviatura de da palavra inglesa mechanical) é um robô gigante (geralmente bípede) controlado por um piloto comum em algumas obras de mangá e anime. Mas será que Sunrise deveria significar que tudo é sempre igual?

Neste anime é-nos proposta uma história com inspirações claras no universo Gundam, ao ponto de termos elementos em comum em quase todos os aspectos, apenas com designs diferentes nos robots e personagens também um pouco diferentes. Infelizmente, também misturamos aqui algo de muitos outros animes (senti também uma forte inspiração em Code Geass), de forma a que temos uma salganhada de conceitos que não nos levam a lado nenhum.

Para além disso, há aqui uma mistura – discreta, é verdade – de um certo elemento de harém que não nos diz nada e que não acrescenta grande coisa à história. Os personagens são imensos e todos eles desinspirados, dependendo na totalidade das suas características de “newtype” (bem, aqui não se chama assim) para poderem progredir dentro de uma narrativa quebrada e mal estruturada. Também há um reflexo de infantilidade pelo próprio universo da história, que é tipicamente adolescente.

No meio desta confusão temos algumas cenas de combate entre criaturas robóticas, que nada acrescentam à história para além de gritos, lágrimas, sangue e muitos tiros. Aliás, estão sempre todos aos tiros uns aos outros. Assim, a animação acaba por passar um pouco ao lado, mantendo-se dentro da normalidade da sua época.

A música desta série é nos dada por alguns artistas de renome do universo pop japonês a começar pelo tema de abertura “Preserved Roses” interpretado pela Nana Mizuki e com a participação de T.M.Revolution. Os dois temas de encerramento Boku Janai” (僕じゃない; “It’s Not Me”) e “Soba ni Iru yo” (そばにいるよ) ficaram a cargo de Angela e ELISA, respectivamente. Ao longo da série vão aparecendo outros temas pop iguais a tantos outros mas achamos por bem também identificá-los. Assim temos “Can you save my heart?” de Momoko Kanade, “Good luck for you” por Haruka Tomatsu, “Mother land” por Yuuka Nanri e ainda “Preserved Roses” de Nana Mizuki x T.M.Revolution.

A ficha técnica desta série de 12 episódios que foi transmitida no Japão entre Abril e Junho de 2013 conta com a realização de Matsuo Kou (que esteve envolvido em imensas séries de Mobile Suit Gundam) e teve a ajuda dos estúdios Sunrise (responsável pelas séries da franquia Mobile Suit Gundam) como dissemos logo ao início do artigo.

(革命機ヴァルヴレイヴ, no título original) é um anime que tentou ser tantas coisas ao mesmo tempo que acabou por não ser coisa nenhuma, por isso dizemos que é um anime para ver só mesmo quando não se tem outras coisas para ver o que dificilmente isso acontecerá.

Escrito por: Carol Louve