Estive sem net por estes dias, portanto vi este anime com a máxima atenção. Quando comecei a ver a série Shigatsu wa Kimi no Uso (四月は君の嘘 e abreviado pelos japoneses como KimiUso), fiquei bastante feliz: um anime sobre música clássica! Logo agora que estávamos na época das finais do Prémio Jovens Músicos da Antena 2! Fiquei mesmo muito motivada para o ver.

A permissa de KimiUso narra a história de um rapaz que era considerado um prodígio do piano, até ao momento da morte da sua mãe. A partir daí, fica com um trauma, com o qual me identifico bastante: deixa de conseguir tocar. Na verdade, ele não se consegue ouvir a si próprio quando toca. Quando conhece uma talentosa violista e se torna amigo dela, tudo começa a mudar e ele encontra uma nova razão para tocar.

A primeira parte do anime é muito interessante no desenvolvimento dos personagens e das suas relações. Também na forma em como a música pode aproximar as pessoas, mas também impedir que estejam juntas. Assistimos a alguns momentos musicais muito bem animados. No entanto, a partir da segunda parte aparece-nos uma doença fatal muito mal explicada que acaba por tornar todo o anime num melodrama de faca e alguidar. Os personagens começam a quebrar emocionalmente, perdendo bastante da sua caracterização e não demonstrando qualquer evolução face às adversidades. O final foi muito desapontante, pois não nos mostraram quaisquer consequências à evolução do pianista enquanto executante ou enquanto personalidade, pois não recebemos feedback do seu último concerto.

Acabei por lhe dar uma nota um pouco mais alta devido à animação. Trata-se de um anime com designs de personagens cheios de brilho e beleza, sendo que também os cenários são altamente detalhados e plenos de belo. No entanto, pareceu-me que a partir da metade do anime houve menos cuidados neste aspecto. Para além disso, temos uma excelente mescla de animação digital em 3D, nos momentos de interpretação das peças, embora haja alguns momentos de repetição de animação.

Quanto à música, foi outro aspecto que me desapontou. Quando vemos um anime sobre música clássica, esperamos uma excelente banda sonora: com música erudita. No entanto, optaram por fazer uns arranjos absolutamente absurdos. Se o Chopin ouvisse o seu Estudo com um remix de guitarras, acho que ressuscitava para chorar e depois morria de novo. Disse-me um amigo que “devem ter feito isso por causa dos direitos”. Ora, todos estes autores estão mortos há um “caquilhão” de anos! Só o Shostakovich é mais recente, e ainda assim morreu há bué.

A série foi transmitida na televisão japonesa em 2014 e contou com 22 episódios. A realização ficou a cargo de Ishiguro Kyouhei (Fairy Tail – alguns episódios e Occultic;Nine) com a preciosa ajuda dos estúdios A-1 Pictures que dispensam qualquer tipo de apresentações para quem está por dentro do mundo do anime.

Enfim, Shigatsu wa Kimi no Uso é um anime que tinha tudo para ser excelente, mas que acabou por se tornar numa novela cheia de lágrimas.

Escrito por: Carol Louve