Loading...
Artigos

Takahashi Rumiko

A história de Takahashi Rumiko tem sido de um exito contínuo, desde o fim dos anos 70 editou na totalidade mais de 100 volumes, dos quais se calcula que se venderam mais de 100 milhões de cópias, tornando-a assim numa das mangakas com mais sucesso do país do sol nascente.

Nascida no ano de 1957 em Niigata começou como ajudante de Kazuo Koike (autor de Crying Freeman) e em 1977 decidiu avançar para um projecto próprio. A editora Shogakukan (da qual nunca se separou) deu-lhe um prémio como a melhor promessa mangaka pelo manga “Katte na Yatsura” que foi uma primeira versão de “Urusei Yatsura”, e que logo no ano a seguir começou a ser editada e durou até 1985, convertendo-se assim no primeiro grande exito de Rumiko.

Mas qual é o segredo de Takahashi Rumiko? As histórias que ela escreve apesar de serem pensadas para um público japonês, também podem ser adaptadas para um público ocidental cativando assim qualquer pessoa de qualquer país.

Rumiko Takahashi experimentou vários géneros entre o shonen e o shojo. O protagonista principal de grande parte das séries costuma ser masculino, mas não são personagens a que estamos habituados a ver ou a ler nas típicas histórias “shonen”, são sim, rapazes normais, com as suas inseguranças e defeitos. As personagens femininas são sempre caracterizadas com um forte caracter e normalmente costumam fazer a “vida negra” aos seus companheiros, mas sem deixarem a sua sensibilidade e femininidade de lado.

Em geral, pode-se qualificar o estilo de Takahashi Rumiko como uma mangaka de comédia/romance, já que todas as obras têm estas duas caracteristicas. Apesar que nos mangas mais pequenos os assuntos abordados já nos remetem para temas mais diversos como por exemplo as relações familiares ou a análise social, não querendo dizer com isto que o romance ou a comédia não esteja implicita.

Nos mangas mais extensos, Takahashi Rumiko tem um método muito particular de trabalhar, como explica neste fragmento duma entrevista, onde fala de Inuyasha : “Tenho uma ideia básica de como é que se vão desenrolar as relações pessoais e espero que o argumento se desenrole em paralelo. Gosto de ir improvisando enquanto avanço”.

No caso de Ranma 1/2, o manga esteve para finalizar no volume 24, mas por causa da pressão dos leitores (e editores) a história desenrolou-se até ao volume 38, demostrando a facilidade com que Rumiko tem de adicionar elementos nas suas histórias sem que tenha havido um planeamento anterior e mais importante do que isso, sem que a historia deixe de perder interesse. O sucesso de Takahashi Rumiko levou a que praticamente todos os seus trabalhos fossem adaptadas para o anime, e nestes últimos anos, até os mangas mais curtos e antigos como Rumik World ou Mermaid Forest estão a ser recuperados para séries televisivas.

O tipo de desenho é muito particular, e em algumas séries como Maison Ikkoku, pode ser até um bocado díficil diferenciar algumas personagens por serem bastante semelhantes, além disso grande parte dos personagens principais das várias histórias são muito parecidos com a série que talvez tenha tido mais sucesso entre os fãs de manga e anime, Ranma 1/2. O seu traço é simples e agradável, e sem dúvida que é um dos estilos mais característico dos mangas dos anos 80 e que ainda hoje continua a angariar fãs pelo mundo inteiro.

Bibliografia:

1979 – 1985: Urusei Yatsura (Lum) 34 Vols.
1987 – 1995: Maison Ikkoku 15 Vols.
1989 – 1993: Ningyo no Mori/Ningyo no Kizu (Mermaid Forrest/Mermaid Scar) 2 Vol.
1990 – Rumik World 3 Vols.
1987 – 1996: Ranma Nibun no Ichi (Ranma 1/2) 38 Vol.
1989: One Pound Gospel 3 Vols.
1994: P no Higeki 1 Vols.
1994: 1 or W
1997 – ????: InuYasha (ainda a ser publicada)

Autor:Francisco Espinheira

One comment
  1. Renata

    Olá! sou uma eterna fã de Inuyasha e gostaria de saber se haveria a possibilidade de Sesshoumaru e Rin terem episódios especiais, ou se tormarem um filme, que contasse a passagem de tempo e o amor entre os dois?

Responder a Renata Cancelar resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Connect with Facebook