Loading...
ArtigosJogos

Blue Reflection: Second Light

Se existe um jogo que pode ser um excelente exemplo do que uma sequela deve ser, Blue Reflection: Second Light é um desses jogos, pois tira as ideias e dicas do seu antecessor, melhorando tudo.

HISTÓRIA
A história do jogo centra-se na protagonista Ao Hoshizaki e nas diferentes raparigas da sua classe que se juntam para explorar Heartscape, um mundo misterioso que foi criado e apoiado através das reminiscências e emoções de uma pessoa. É comparável ao dos palácios de Persona 5, embora neste caso, o objectivo de terminar um Heartscape seja completamente diferente.

Ao contrário de Persona, Blue Reflection Second Light diz respeito à descoberta do “EU” em vez de enfrentar o “EU” diferente, o que faz as personagens crescerem como indivíduo. Todas as raparigas do Liceu Hoshinomiya tiveram as suas memórias apagadas. A única forma de recuperarem as suas memórias e saberem quem são é explorar o seu Heartscape e encontrar os fragmentos de memória.

A história e as personagens da sequela são melhores desenvolvidas em comparação ao seu antecessor, cada personagem tem uma história de fundo estimulante que combina com o seu temperamento. Não esperem quaisquer tragédias ou narrativas capazes de mudar a vida, porque a narrativa está espantosamente fundamentada para um jogo sobre meninas mágicas. Em vez disso, concentra-se grande parte em questões realistas que até mesmo tu ou eu poderemos ultrapassar algum dia. É uma modificação agradável de ritmo a partir do final dramático das histórias do globo que os JRPGs normalmente escolhem.

“Credits due to where they’re needed” – durante este departamento. O primeiro Blue Reflection tinha o mau hábito de dar um arc e desenvolvimento a uma personagem, acabando por mandá-las para debaixo do tapete. Em comparação, o segundo jogo é mais positivo. Nesse aspecto as personagens permanecem contigo desde o início ao fim e tornam-se relevantes para a história.

Cada personagem tem uma história estimulante que condiz com o seu temperamento. Não esperem quaisquer tragédias ou narrativas de mudar a vida, porque a narrativa é espantosamente fundamentada para um jogo relativo a magical girls. Em vez disso, concentra-se principalmente em questões realistas que até mesmo tu ou eu poderíamos ter de ultrapassar algum dia. É uma modificação agradável em comparação a outros JRPGs.

Felizmente na sequela temos free pass para explorar o mundo, ao contrário do seu antecessor onde éramos obrigados a ficar pela escola, aqui podemos explorar a escola, a cidade e os subúrbios.

Hoshinomiya High é a nossa introdução a muitas novas áreas. No início, não existe uma quantidade excessiva de conteúdo dentro da faculdade para justificar a tentativa, no entanto, isto muda com o tempo. Assim que mais personagens são recrutados e começamos a construir novas instalações (inspirado claramente na mecânica de atelier) expandimos e desbloqueamos novas áreas de exploração juntamente com o mecanismo de datação geológica, onde podemos mandar party membros recolher items específicos para podermos craftar equipamentos, poções etc.

As masmorras não fornecem uma quantidade excessiva de interesse a nível de exploração, numa perspectiva de jogo. São apenas úteis e, portanto, o novo mecanismo de ocultação (a.k.a hidden dungeons) torna-as um pouco mais fascinantes. No entanto, há muitos mais JRPGs por aí que oferecem conteúdo adicional nesse aspecto.

COMBATE
o sistema de combate é turn-based, mas as nossas heroínas não sobem de nível através de batalhas contra os monstros, mas sim através do relacionamento que tem com as colegas ou seja quanto melhor entenderes os teus “party members” e mais tempo conviverem com elas irás ganhar Growth Points para subir de nível tal como no jogo anterior.

LIBERDADE PARA EXPLORAR
Felizmente, a direcção de arte de cada Heartscape é mais elevada. Cada uma representa uma interpretação distorcida de um local que é vital para o passado de cada uma das raparigas. Todos os milímetros do Heartscapes são atractivos e funcionam bem porque servem de espaço principal para cada arco da história. É simplesmente uma pena que a jogabilidade do jogo em metade das masmorras não atinja uma comparação equivalente.

SISTEMA DE BATALHA
O jogo engloba um sistema de combate bastante sofisticado. Isto é frequentemente provado pela enorme quantidade de tutoriais que se tem de passar nas sete horas iniciais de jogo, no entanto, não é um problema grave.

A premissa baseia-se numa linha temporal que mostra a vez em que cada personagem é capaz de atacar. Esta linha do tempo tem cada membro da party e os inimigos envolvidos. Há secções para um 000 EP, 2000 EP, etc. EP significa Ether Points, o recurso necessário para ataques.
Quanto mais poderoso for o ataque, mais tarde EP são necessários. Ou seja, o jogo é “turned based”.

As expectativas de regresso a este franchise não eram muito elevadas. Gostei do jogo inicial pelo que tinha sido, porém com as suas imensas limitações que o impediam de se transformar em algo especial. Por isso, estou terrivelmente chocada com o simples facto de ser muito superior ao seu antecessor

Sem dúvida um dos melhores JRPGs lançados pela GUST ultimamente o feedback que receberam dos 2 ryza serviu para conseguirem criar um franchise sólido. O jogo saiu para as plataformas PS4, Nintendo Switch e PC.

Se tivéssemos que dar uma pontuação seria um 8 bem sólido em 10 pontos possíveis. Por isso, é um jogo a jogar.

Escrito por: Inês Esteves

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Connect with Facebook

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.