Todos os anos neste dia (3 de Março) é comemorado no Japão o Hina Matsuri ou o Festival das Bonecas. Este festival, como é conhecido hoje, teve início no período Edo (séculos XVII a XIX) para comemorar o Dia das Meninas. As famílias celebram a data para desejar às suas filhas um crescimento saudável e feliz.

Os festejos deste dia começa com o enfeite das suas casas com o Hina Ningyo, conjunto de bonecas que representam a corte imperial. O conjunto, normalmente, é formado por 15 bonecas trajando roupas tradicionais, miniaturas de objectos domésticos e pertences.

A fileira superior apresenta duas bonecas que representam o Imperador (お内裏さま, O-Dairi-sama) e a Imperatriz (お雛さま, O-Hina-sama). (Dairi significa Palácio Imperial, Hina é rapariga ou princesa). As bonecas são usualmente dispostas diante de uma tela dourada com dobradiças.
O segundo degrau traz três senhoras da Corte (三人官女, San-nin kanjo). Entre elas há um recipiente.

No terceiro degrau estão cinco músicos (五人囃し, Go-nin bayashi). Cada segura um instrumento musical, menos o cantor, que segura um leque.
Na quarta, quinta e fileiras mais baixas uma variedade de mobílias em miniatura, ferramentas, carruagens, etc. são exibidas. Dois bonecos de ministros (ががく, Zuijin), são dispostos à direita e à esquerda, no quinto degrau. As flores de pêssego que enfeitam a corte simbolizam a felicidade no casamento e são enfeites indispensáveis. Estas flores, por serem cheias e arredondadas simbolizam a maciez, a suavidade e a tranquilidade.

É costume as amigas se reunirem diante das bonecas, trocando saudações cerimoniosas, praticando as regras de etiqueta. É costume durante este dia beber-se o amazake, uma versão de baixo teor alcoólico do sake feito de arroz fermentado e comer-se doces e bolinhos de arroz (Hishimochi), que também são ofertados às bonecas.

Algumas famílias possuem centenárias Hina Ningyo, consideradas verdadeiras heranças de família. Algumas noivas, ao casarem-se, levam consigo o seu conjunto de bonecas para as suas novas casas.

O Hina Matsuri também é conhecido como Momo no Sekku (Festival do Pêssego) ou Sangatsu no Sekku (Festival de Março).

Autor: Fernando Ferreira