Mesmo com o mercado da banda desenhada a crescer em Portugal, veja-se as editoras G Floy, a Levoir ou mesmo a Devir ainda há um longo caminho a percorrer para que o mundo editorial do mangá (nome dado ao estilo de banda desenhada japonesa) cresça um pouco mais em relação a outros países europeus mesmo sabendo que lá fora os mercados são maiores. Mas isso são outras águas…

Mas é mesmo de águas que fala este mangá publicado pela recente editora espanhola Gallo Nero que tem um catálogo preferencialmente de biografías de escritores, adaptações de obras literárias e novelas gráficas. É nesta terceira categoria que vamos encontrar o mangá Kanikosen (蟹工船), de Takiji Kobayashi (ler biografia) e Go Fujio, um mangá que adapta um clássico da literatura proletária japonesa e porque não dizer mundial.

Para quem não conhece a terminologia, a literatura proletária tinha como preocupação mostrar o dia a dia dos pobres e oprimidos. O estilo destas obras aproximava-se do chamado “realismo socialista”, centrado na fiel descrição dos factos.

O manga “one-shot” narra a vida de um grupo de pescadores a bordo do Hakuko Maru (白鳳丸), um caranguejeiro que é muito mais que uma fábrica de pesca flutuante. Este barco antes de mais representa a verdadeira ânsia predatória da indústria japonesa, em consonância com a política imperialista agressiva do país na altura (anos 20 do século XX) e da forte rivalidade com a União Soviética.

As consequências do nacionalismo exagerado e do capitalismo voraz são sofridas pelos humildes trabalhadores do barco que foram para ali a pensar que teriam potencialmente uma vida melhor e assim conseguir fugir à pobreza. Ali são explorados e humilhados pelo patrão Asakawa que exerce sobre eles um controlo de maus tratos físicos e psicológicos sem o menor respeito pela dignidade e a vida deles. Estas atitudes levarão a que todos os tripulantes a bordo se revoltem contra tanta injustiça. A consciência de que unidos podem vencer a situação que vivem, dá-lhes alguma esperança que como grupo possam fazer o que sozinhos jamais seriam capazes.

‘Kanikosen’ é daquele tipo de obras que têm um valor histórico e documental de ‘Kanikosen’ inegável, ainda para mais quando sabemos que este livro custou a vida Takiji Kobayashi quando tinha apenas 29 anos de idade depois de ter sido detido pela polícia secreta japonesa e torturado até à morte.

Apesar desta triste história o livro foi um êxito na altura, e teve um novo boom em 2008 quando o Japão voltou a estar em crise económica. Dois anos antes sai para as livrarias a adaptação mangá de ‘Kanikosen’ da autoria do mangaka Go Fujio com o seu estilo ‘gekika’ (nome dado ao manga adulto) bastante característico.

Sem qualquer dúvida Kanikōsen é um mangá bastante diferente do que a maioria das pessoas está habituado a ler. É recomendado para aquele tipo de público que está/é ávido para ler coisas diferentes e mais importante que queiram aumentar o seu conhecimento sobre a sociedade japonesa e alguns períodos históricos.

Se quiseres conhecer melhor esta obra ideológica de crítica social e económica aconselho a leres o livro Kanikosen – O Navio dos Homens, editado pela Clube do Autor e que esperamos em breve também poder fazer uma resenha ao livro.

Escrito por: Fernando Ferreira